“Gostaria de investir na bolsa, mas tenho medo!”, “Meu sonho era investir em ações nos EUA, mas não tenho muito dinheiro!”, “Acredito na recuperação da Zona do Euro, mas não sei como ganhar dinheiro com isso!”

Se essas ideias já passaram pela sua cabeça ou se você é extremamente conservador para aplicar em algo diferente do que poupança ou renda fixa DI, o que diria se fosse possível fazer todas essas aplicações e muito mais sem o risco de perda nominal do seu patrimônio? E se fosse possível ter uma rentabilidade mínima garantida com retorno 20% acima da poupança podendo chegar a 22,5% de retorno bruto em um ano? E se a aplicação mínima fosse R$ 15.000,00? Seria muito bom para ser verdade?

Tenho que discordar, pois essa opção já existe no mundo inteiro e há algum tempo no Brasil, mas não era acessível fora do segmento private das instituições financeiras. Clientes private são investidores com mais de R$ 5.000.000,00 em investimentos. De uns tempos para cá, já é possível encontrar o COE em segmentos de alta renda como o Santander Select, por exemplo. COE significa Certificado de Operações Estruturadas, mas antes de falar dele, vamos falar da importância da diversificação dos investimentos e depois entender como o COE se torna uma peça chave nessa estratégia.

Você já deve ter ouvido falar que é importante diversificar para reduzir os riscos e as incertezas do investimento, mas não é só por isso que devemos diversificar. Vejamos a tabela abaixo com os benchmarks campeões de rentabilidade desde de 2004.

rentabilidades

Fonte: Quantum Axis – Base Dezembro/2015

Legenda:
• CDI – Títulos Pós Fixados
• Dólar – Câmbio R$ / US$
• IBOV – Ibovespa
• IMA-B – Índice de Mercado Anbima (Títulos de Inflação)[1]
• IRF-M – Índice de Renda Fixa do Mercado (Títulos Pré-Fixados)
• IFMM – Índice de Fundos Multimercado

É muito comum meus clientes me procurarem e me pedirem opções de investimento que rendam o mais próximo de 100% do CDI[2] possível, mas veja você na tabela acima em marrom, que o CDI nos últimos 11 anos não é nem de longe a melhor aplicação.

Você pode me questionar que você é conservador e não gosta de riscos, porém se você reparar entre as 3 maiores rentabilidades do acumulado de 2004 até 2015, 2 delas são benchmarks de renda fixa (IMA-B e IRF-M). Esses índices têm características diferentes do CDI e um grau um pouco maior de risco do que as aplicações referenciadas DI, porém ainda sim não chegam aos pés da volatilidade do mercado de ações, por exemplo.

Em um próximo bate-papo vou falar mais das opções de investimento em cada benchmark desses, porém o que importa nesse momento é que você entenda que a diversificação não serve somente para reduzir o risco das suas aplicações. A diversificação é uma boa estratégia para aumentar sua rentabilidade com riscos mais diluídos.

Entendido a importância da diversificação para uma boa rentabilidade com redução de riscos, eu vos apresento o COE. Com ele um investidor comum se torna um Investidor Absoluto, pois consegue ter operações complexas dentro de um produto estruturado pela tesouraria da instituição financeira. Aqueles investidores que já montam suas próprias operações estruturadas tem no COE uma opção mais barata de montar essas estruturas.

video coe

Clique aqui para ver o vídeo.

“O Certificado de Operações Estruturadas – COE é um novo investimento que passa a ser disponibilizado ao mercado brasileiro. É instrumento inovador e flexível, que mescla elementos de Renda Fixa e Renda Variável. Traz ainda o diferencial de ser estruturado com base em cenários de ganhos e perdas selecionadas de acordo com o perfil de cada investidor. É a versão brasileira das Notas Estruturadas, muito populares na Europa e nos Estados Unidos.

Em uma só aplicação, o COE proporciona diversificação e acesso a novos mercados. Para você, fica mais fácil acompanhar o desempenho, pois o COE já vem montado como um único instrumento, o que significa também uma única tributação. Os custos possivelmente seriam maiores caso você direcionasse seus recursos a vários ativos separadamente.

Quem emite os COEs são bancos, mas eles são registrados na Cetip, que está autorizada e preparada para fazer também o depósito e a liquidação do COE. Caso seu banco seja credenciado no Cetip | Certifica, melhor para você, que pode contar com a segurança adicional deste selo. O COE tem vencimento, valor mínimo de aporte, indexador e cenário de ganhos e perdas definidos pelos bancos para diferentes perfis de investidor.” (Fonte https://www.cetip.com.br/coe )

Resumindo a apresentação feita pela CETIP, com o COE é possível ter na sua carteira de investimentos, posições em SP500 (índice de ações americano), Euro Stoxx 50 (índice com ações europeias), IBOVESPA, Juros, Dólar,… e tudo isso sem risco de perder o seu investimento inicial.

Por que investir no COE?

• SELF-SERVICE – Você monta sua operação.
• DIVERSIFICAÇÃO – Dólar, Ibovespa, SP500, Juros, Euro Stoxx 50, entre outros.
• PRINCIPAL GARANTIDO – Se o mercado for contra você, o seu investimento inicial está protegido.
• FLEXIBILIDADE – Você pode ganhar tanto na alta como na baixa dos mercados.
• EXCLUSIVIDADE – Produto Private e Alta Renda.

O COE pode ser estruturado de diversas formas, porém as 3 formas mais vencedoras são:

• PRÊMIO ALTA ou BAIXA – Se o mercado for a seu favor, você ganha a taxa máxima. Mas se o mercado for contra, você não perde nada.
• PARTICIPAÇÃO ALTA ou BAIXA – Se o mercado for a seu favor, você ganha o que render seu índice, podendo ter um multiplicador, limitado sempre a taxa máxima da aplicação. Mas se o mercado for contra, você não perde nada.
• INTERVALO – Se o mercado ficar dentro do intervalo da operação, você ganha a taxa máxima, mas se ficar fora, você ganha a taxa mínima (quando houver) ou recebe o valor investido novamente.

Precificação

• Preço do Ativo – Preço de fechamento do ativo no dia da contratação
• Preço de Referência – % do preço do ativo que vale para a operação. Por exemplo: IBOVESPA fecha no dia da aplicação do cliente no preço de 100 pontos, mas o preço de referência é 105% do IBOVESPA.
O Preço do cliente é então: 100 X 105% = 105 pontos. Se fosse um COE IBOVESPA de ALTA, para o cliente sair vencedor, o IBOVESPA precisaria fechar acima de 105 pontos no dia do vencimento do contrato do cliente.

Exemplos Possíveis de COE 

COE Dólar Prêmio Alta

Prazo Valor de Referência Retorno Máximo Resgate Antecipado
365 105% 20% no período

Não há

Logo, quem compra essa estrutura acredita que o dólar vai estar valorizado em 5% ou mais daqui a 12 meses e se o investidor estiver certo sua recompensa será um retorno de 20% no período, mas se o dólar subir 4,99% ou estiver negativo daqui a 12 meses, o investidor resgata exatamente o valor nominal aplicado.

Aí você pode estar se perguntando, mas se o dólar tiver valorizado 50%? O que eu ganho? Como o nome já diz, a taxa máxima de retorno é de 20%, então esse será o seu retorno mesmo que o dólar tenha subido 50%. Vendo por esse lado, talvez você não ache interessante, pois estaria limitando o seu lucro e eu concordo com você. Se em sua opinião o dólar irá subir muito mais do que 20%, a melhor aplicação para você seria investir num Fundo Cambial, mas não se esqueça de que se você não acertar o cenário e o dólar cair ou subir 5% apenas, você vai perder patrimônio nominal ou ganhar os 5%. Eu vejo essa limitação de retorno como o custo de um seguro, pois você está protegido da perda e com uma valorização de apenas 5% já garante 20% bruto em 12 meses.

COE IBOVESPA Prêmio Baixa

Prazo

Valor de Referência Retorno Máximo Resgate Antecipado
181 110% 20% no período

Não há

Logo, quem compra essa estrutura acredita que a bolsa brasileira (Ibovespa) não vai subir mais do que 10% ou irá ficar negativa nos próximos 181 dias e se o investidor estiver certo sua recompensa será um retorno de 20% no período, mas se o Ibovespa subir 10,01% ou mais no final do contrato, o investidor recebe exatamente o valor nominal aplicado.

COE SP 500 Participação Alta

Prazo Valor de Referência Participação Retorno Máximo Resgate Antecipado
364 100% 2,5 x 22,50% no período

Não há

Logo, quem compra essa estrutura acredita que a bolsa americana (SP500) vai subir nos próximos 364 dias e quer ganhar com essa alta. Se o investidor estiver certo sua recompensa será a valorização do SP500 no período multiplicado por 2,5, limitado sempre ao retorno máximo da operação, ou seja, se a valorização do índice for de 8% o cliente irá ter um retorno 8*2,5= 20% e se o SP 500 subir 10% (10*2,5=22,5%) ou mais o investidor terá o retorno de 22,50 que é teto de retorno da aplicação. Porém se o investidor errar o cenário e a bolsa americana cair, o investidor recebe exatamente o valor nominal aplicado.

COE Ibovespa Intervalo

Prazo

Valor de Referência Retorno Garantido Retorno Máximo Resgate Antecipado
364 Entre 100% e 115% 10% no período 20% no período

Não há

Logo, quem compra essa estrutura acredita que a valorização da bolsa brasileira (Ibovespa) será neutra (0%) ou de até 15% e se o investidor estiver certo sua recompensa será um retorno de 20% no período, mas se o Ibovespa subir 15,01% ou ficar negativo no final do contrato, o investidor tem uma rentabilidade mínima garantida de 10%.

O COE veio para ficar e mostra uma evolução no nosso sistema financeiro. Vimos a importância de diversificar para ter um melhor risco X retorno e como o COE pode nos ajudar nesse quesito. Entretanto, preciso destacar um ponto importante. Vocês viram que eu repeti várias vezes no texto que nesse tipo de investimento não se tem risco de perda nominal, mas temos o risco de perda real que é a causada pela inflação. Antes de fazer esse tipo de aplicação você deve avaliar junto com o seu consultor de investimentos se o retorno está adequado ao seu custo de oportunidade (Inflação e outras possibilidades de investimento). O COE é considerado um produto Moderado e não tem liquidez, portanto só é recomendado para uma parte do seu capital de acordo com seu perfil de investidor e necessidade de liquidez.

E então, entre Renda Fixa e Variável por que não ficar com os dois investimentos?

Referências:
Software Quantum Axis
Santander Select
Wikipedia
• CETIP

[1] IMA (Índice de Mercado Anbima) e titulos Publicos. Índices de renda fixa calculados com base na evolução do valor de mercado de carteiras compostas por títulos públicos. O IMA geral é o resultado da ponderação das variações de cada índice; o IRF-M é composto por títulos prefixados (LTN e NTN-F); o IMA-C, por títulos atrelados ao IGP-M (NTN-C); o IMA-B, por títulos atrelados ao IPCA (NTN-B); e o IMA-S, por títulos atrelados à Taxa SELIC (LFT).

[2] A Taxa CDI então é uma média dos juros praticados pelos Certificados de Depósitos Interbancários realizados entre os Bancos. Esta taxa na realidade chama-se apenas Taxa DI (Taxa dos depósitos Interbancários), mas muitas pessoas também a conhecem por Taxa CDI, ambas se referem a uma mesma taxa. Assim como a Taxa Selic, que é utilizada para medir os juros dos títulos públicos, e é calculada como uma média obtida pelo sistema Selic; a Taxa CDI é calculada através do sistema Cetip.

maxlindercampos
Written by maxlindercampos
Profissional CFP®, Administrador, MBA em Finanças, SUSEP, CPA-20, CEA-ANBIMA, PQO-BMF&Bovespa, Educador Financeiro, Empreendedor e aficionado por novos conhecimento.

Leave a Comment